Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Olhamo-nos nos olhos pela internet.

 

Eu transmito-te este domingo à tarde,

a voz do vizinho através da parede.

 

Tu transmites-me a distância que existe

depois do que consigo ver pela janela.

 

Durante a noite mudou a hora e, no entanto,

continuamos no tempo de ontem.

 

Como é raro este domingo, não podemos

garantir que amanhã seja segunda-feira.

 

O futuro perdeu-se no calendário, existe

depois do que conseguimos ver pela janela.

 

O futuro diz alguma coisa através da parede,

mas não entendemos as palavras.

 

Lavamos as mãos para evitar certas palavras.

 

E, mesmo assim, neste tempo raro, repara:

tu e eu estamos juntos neste verso.

 

O poema é como uma casa, tem paredes

e janelas, é habitado pelo presente.

 

Olhamo-nos nos olhos pela internet,

estamos verdadeiramente aqui.

 

O poema é como uma casa,

e a casa protege-nos.

 

José Luís Peixoto, 29 de Março de 2020

 

poemaa.png

 

A poem by José Luís Peixoto is currently in the subway of Warsaw, Poland.

1varsov.jpg

2varsov.jpg

3varsov.jpg

4varsov.jpg

 

Alguns alunos da Escola EB 2,3 João Afonso, de Aveiro, escreveram variações sobre o poema "na hora de pôr a mesa".

Podem ser lidas aqui:

 

 

O Moliceiro



Para ler mais poemas e ver mais trabalhos, clicar

AQUI.

Temas:




papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.


todos os vídeos







Perfil SAPO

foto do autor