Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

José Luís Peixoto nasceu em Galveias, em 1974. É um dos autores de maior destaque da literatura portuguesa contemporânea. A sua obra ficcional e poética figura em dezenas de antologias, traduzidas num vasto número de idiomas, e é estudada em diversas universidades nacionais e estrangeiras.

Em 2001, acompanhando um imenso reconhecimento da crítica e do público, foi atribuído o Prémio Literário José Saramago ao romance Nenhum Olhar. Em 2007, Cemitério de Pianos recebeu o Prémio Cálamo Otra Mirada, destinado ao melhor romance estrangeiro publicado em Espanha. Com Livro, venceu o prémio Libro d’Europa, atribuído em Itália ao melhor romance europeu de 2012. Em 2016, com Galveias, recebeu no Brasil o Prémio Oceanos para a melhor obra literária em língua portuguesa do ano anterior. As suas obras foram ainda finalistas de prémios internacionais como o Femina (França), o Impac Dublin (Irlanda) ou o Portugal Telecom (Brasil), entre outros.

Na poesia, Gaveta de Papéis recebeu o Prémio Daniel Faria e A Criança em Ruínas recebeu o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores. Em 2012, publicou Dentro do SegredoUma viagem na Coreia do Norte, a sua primeira incursão na literatura de viagens. Os seus romances estão traduzidos em mais de trinta idiomas.

 

Prémios

Galveias - The Best Translation Award 2019 (Japão)

Galveias - Prémio Oceanos - Prémio de Literatura em Língua Portuguesa 2016 (Brasil)

Livro - Prémio Libro d'Europa 2013 (Itália)

A Criança em Ruínas - Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores 2013 (Portugal)

Gaveta de Papéis - Prémio de Poesia Daniel Faria 2008 (Portugal)

Cemitério de Pianos - Prémio Cálamo 2007 (Espanha)

Nenhum Olhar - Prémio Literário José Saramago 2001 (Portugal)

 

Recepção crítica

"Uma das revelações mais surpreendentes da literatura portuguesa. É um homem que sabe escrever e que vai ser o continuador dos grande escritores."
José Saramago

 

"Peixoto tem uma extraordinária forma de interpretar o mundo, expressa pelas suas escolhas certeiras de linguagem e de imagens."
Times Literary Supplement

 

"Um valor seguro da literatura portuguesa, com grande sentido de linguagem poética e grande domínio da língua portuguesa."
Manuel Vásquez Montálban

 

"O fantástico é contado com a naturalidade do quotidiano. A crónica e a fábula sobrepõem-se, como as histórias que contam ou presenciam ou calam as personagens de William Faulkner ou de Juan Rulfo."
António Muñoz Molina

 

"Como Saramago, José Luís Peixoto é um escritor tocado pelo génio."
Urbano Tavares Rodrigues

 

"Um dos escritores mais dotados do seu país."
Le Monde

 

"Peixoto articula um interessante discurso sobre a identidade e a orfandade, e elabora em paralelo um maravilhoso retrato psicológico do mundo rural português."
El País

 

Os seus livros têm tido referências críticas em publicações internacionais de referência como: The Independent, The Guardian, Times Literary Suplement, Esquire, Monocle, Metro, Time Out New York, San Francisco Chronicle, El País, El Mundo, ABC, Le Figaro, Le Monde, La Reppublica, Corriere de la Sera, L'Unità, Folha de S.Paulo, Estado de São Paulo, etc.

 

Temas:

Biography

José Luis Peixoto was born in a small village from the south interior of Portugal, in the Portuguese region of Alentejo. He finished a degree on Modern Languages and Literature in the Universidade Nova de Lisboa. Was a teacher for some years in Portugal and in Cabo Verde before becoming a professional writer in 2001.

 

Awards

Galveias - The Best Translation Award Japan 2019 (Best foreign novel translated into japanese in 2019)

Galveias - Prémio Oceanos 2016 (Best novel published in all portuguese-speaking countries in 2015)

Livro - Prémio Libro d'Europa 2013 (Best novel published in Europe in 2012)

A Criança em RuínasPrémio da Sociedade Portuguesa de Autores 2013 (Best poetry book published in Portugal on the previous year)

Gaveta de Papéis - Prémio de Poesia Daniel Faria 2008 (Best poetry book published in Portugal by a poet under 35 years old)

Cemitério de Pianos - Prémio Cálamo 2007 (Best foreign novel published in Spain in 2007)

Nenhum Olhar - Prémio Literário José Saramago 2001 (Best novel published in all portuguese speaking countries on the two previous years)

 

International Publishing Houses

Peixoto's books are currently translated into 30 languages.

Here are some of the publishing houses where Peixoto's books are available: 

Bloomsbury (UK), Doubleday, Random House (US), Grasset (France), Seuil (France), Literatura Random House (spanish-speaking countries), Companhia das Letras (Brazil), Einaudi (Italy), Kedros (Greece), Meulenhoff (Nederlands), Atlas Contact (Nederlands), Kineret (Israel), Wsoy (Finland), Polirom (Romania), Bozicevic (Croatia), Bakur Sulakauri (Georgia), among many others. 

 

Reception

'Peixoto is one of the most surprising revelations in recent Portuguese literature. I have no doubts that he is the safe promise of a great writer'
José Saramago

 

‘Peixoto has an extraordinary way of perceiving, conveyed in his original choices of language and imagery’
Times Literary Supplement

 

“Splendidly demanding.... The images Peixoto evokes in helping his characters communicate without words are singular and unforgettable.... Nature appears to prevail as the governing force, and Peixoto's brilliance and power as an artist are precisely in his desire to mimic nature's ability to create and destroy simultaneously.”
San Francisco Chronicle"

 

“Peixoto offers an appealing addition to the genre of rural magical realism…. [A] poignant debut."
Kirkus Reviews

 

“You read and breathe as if you were downing a bottle of life in one gulp.”
Le Figaro (about Blank Gaze)

 

‘Peixoto has an acute ear for cadence, a sharp eye for the luminous image and a good nose for the pungent’
Independent

 

'Peixoto's evocation of pathos is tempered by a keen sense of the absurd'
Financial Times

 

“Peixoto comes from the world of poetry and of the theatre. And this can be sensed here. His pages, purified in the lyrical prose that makes them unique, introduce us to a rural space burned by the sun, inhabited by the singing of the cicadas and suspended in a mythical time where each action has a biblical inevitability.”
Vogue Italia

 




papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.


todos os vídeos








Perfil SAPO

foto do autor