Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Porto

18.03.11

Então, eu comia o Porto. Ali à beira do Douro, abria a boca e enchia-a com o Porto. Pousava-o sobre a língua e mastigava-o com cuidado, para não causar estragos na Torre dos Clérigos, no Pavilhão Rosa Mota ou na estátua do leão e da águia da Boavista. Os portuenses haviam de acreditar que o céu da minha boca era um dia de outono nublado e continuariam a fazer a sua vida normal, voltariam para casa à hora certa do relógio de pulso e os autocarros continuariam a subir e a descer os Aliados sem perturbação. O momento de engolir o Porto seria sereno para a cidade e, para mim, seria o instante em que a memória do seu gosto se tornaria efectiva. O Porto não saberia a molho de francesinha, muito menos a tripas ou a vinho doce, teria um gosto composto por múltiplo, intenso e contraditório, composto por perífrase, hipérbole e oximoro. Eu fechava os olhos, claro, para sentir analiticamente o gosto do Porto. Passava bastante tempo assim, o silêncio tinha vagar para rodear-me.

 

Sentia todo o caminho do Porto através da minha garganta. Haveria de lembrar-me de goles de água no verão, o fresco da água a descer por mim como uma onda de temperança. Nesse túnel, o Porto, com os seus estádios, com o mercado do Bolhão, haveria de fluir imperturbável, mais lento e justo do que um rio grande, atravessado por pontes de ferro projectadas por Gustave Eiffel. Eu não haveria de me engasgar com o Porto, nem sequer me lembraria dessa possibilidade, nem sequer a consideraria. Seria capaz de respirar grandes volumes de ar fresco e limpo, seria capaz de respirar uma tarde inteira ou, mesmo uma primavera inteira, uma infância inteira. Para o Porto, esse caminho no interior da minha garganta seria menos do que uma brisa. Talvez alguns portuenses, os mais sensíveis à humidade, subissem a gola do casaco por instantes, talvez quisessem cobrir o pescoço, sentir tecido na pele fina do pescoço. O carros continuariam a parar nos sinais vermelhos e a avançar nos sinais verdes, continuariam a encaracolar-se pelos caminhos do silo de estacionamento ou, na rua, continuariam a seguir as indicações de um arrumador com barba, vestido com casacos sobrepostos.

 

O Porto chegava-me ao estômago à hora certa do entardecer. A tranquilidade seria inquestionável. Todos os poetas da cidade haveriam de ter um acesso súbito de inspiração. O meu estômago não precisava de se dilatar, barrigada, para ser capaz de acolher toda a cidade num plano horizontal, nivelado ao milímetro pelos desníveis habituais das suas ruas e avenidas. Quem estivesse a descer até à Foz, continuaria passo após passo; quem estivesse a subir até ao Marquês, continuaria passo após passo. As gaivotas planariam voltas perfeitas dentro do meu estômago e, assim, seriam capazes de puxar a noite. Chegaria devagar, ao ritmo intermitente das luzes que se começariam a acender na Baixa.

 

Por acaso simbólico, a absorção começaria precisamente à hora de jantar. As casas, o ar, as ruas, os viadutos, as montras, os jardins, as pessoas, os carros, as palavras, a pronúncia, os monumentos seriam gradualmente absorvidos pelas paredes do estômago. Atravessá-las-iam como uma sombra que fosse progredindo sobre a cidade, como uma maré de nuvens que fosse tapando a lua e as estrelas, uma a uma. Todos os elementos sólidos e não sólidos da cidade, mesmo os invisíveis, transformar-se-iam em carne, na minha carne, no meu sangue a correr pelas minhas veias e a atravessar-me desde a ponta dos dedos, os mesmos que carregam nestas teclas, até às pequenas artérias que irrigam os meus olhos, o meu cérebro. O Porto seria oxigenado pelos meus pulmões, passaria pelo meu ventrículo esquerdo e, depois, pela aorta. A zona das Antas seria uma extensão da minha pele, a Sé também. Quando eu tocasse alguma coisa, quando segurasse um livro ou ouvisse uma canção, só seria capaz de fazê-lo através do Porto. Na verdade, nem eu próprio seria capaz de distinguir-me do Porto. Seria capaz de dizer "o Porto", seria capaz de dizer "eu", mas apenas o faria por preguiça analítica, por mecanismo desonesto de esquematização. Essa mentira seria fácil de desmascarar em cada palavra dita, escrita, em cada silêncio, porque se eu articulasse um som mínimo, seria o Porto que o estaria a dizer; se eu escrevesse uma letra, seria o Porto a escolhê-la; se eu permanecesse quieto, a olhar para a distância e a pensar em imagens de tempos passados, seria o Porto que existiria no meu lugar, a lembrar-se de dias, passados neste ou noutro século.

 

 

José Luís Peixoto, in Abraço

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:11


8 comentários

Sem imagem de perfil

De cduxa a 18.03.2011 às 09:30

Que honra para a cidade do Porto e Portuenses serem o desvelo de tão belas palavras. Estou emocionada.
Vou compartilhar. Um grande abraço.
Sem imagem de perfil

De anatem a 18.03.2011 às 12:50

Sem comentários.
OBRIGADA.
Sem imagem de perfil

De AnuskA a 18.03.2011 às 22:22

Excelente texto :) Realmente o Porto é uma cidade muito bonita, tenho amigos de lá e arredores e de vez em quando vou ter com eles...Passamos umas boas horas nessas ruas, paisagens e luzes :)
Sem imagem de perfil

De JS a 19.03.2011 às 16:45

O Porto...a cidade mais bonita, mais nostálgica, mais...tudo!! Pelo menos para mim, a cidade que me viu nascer, onde passei grande parte da vida. Apaixona qualquer um. Viva aos portuenses e aos amantes desta cidade!
Sem imagem de perfil

De Yollande D'Artout a 26.03.2011 às 16:28

Ao amor, à paixão, quando acontece entre humanos numa intensidade que chega quase à devora, costuma-se chamar, em licença poética, de antropofagia. Estou aqui a me perguntar que vocábulo seria capaz de designar um tal desejo capaz de incorporar ao corpo, o objeto de tamanha devoção, prestes a faze-lo quase desaparecer dali, para torná-lo vivo pela eternidade ? ... , ... ?
Sem imagem de perfil

De Ester Guedes a 14.09.2011 às 00:24

Gargantuano, de entranhas, mas gourmet. Um paladar de pele, que se ingere antes de saborear. Perfeito até às vísceras, até nas vísceras. Haverá foma mais intensa e silenciosa de corporizar uma cidade como o Porto?
Sem imagem de perfil

De Ana Ribeiro a 14.09.2011 às 00:41

Escreves tão indecentemente bem, moço.
Sem imagem de perfil

De António Martins a 11.06.2012 às 17:59

Grande alentejano!
O José Luís merecia uma garrafa do melhor vinho de Reguengos no ponto, acompanhada de umas azeitonas, uns queijinhos frescos e um pão de centeio tostadinho.
Tudo sobre uma mesa de pedra, rodeada de várias cadeiras ocupadas, meia de letra, tendo como pano de fundo o cair do sol de qualquer planície alentejana.
Quando acabasse uma dose, viria outra rodada.
Entretanto, ia assando um belo de um entrecosto.
Soltavam-se as letras e o pessoal nunca mais ressonava.
Grande alentejano!

Comentar artigo




Instagram


papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.

projecto moldura

todos os vídeos





(confidencial)

free Hit Counters
since October 2018

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



page contents





Perfil SAPO

foto do autor