Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É, sem dúvida, uma obra prima da literatura portuguesa. Um romance sobre a emigração económica e também política, dos anos cinquenta até à Revolução de Abril e à actualidade.

 

As descrições minuciosas e perfeitas da vila alentejana e das suas gentes encontram paralelo na visão dos bairros da lata de Champigny e Saint Denis.

 

Livro, título da obra, é simplesmente o livro que Ilídio dá à sua namorada Adelaide e o nome que esta dará mais tarde, casada em Paris com o intelectual comunista Constantino, ao filho que nasceu de um fortuito encontro com Ilídio, numa sua vinda à terra sem o marido.

 

As personagens, muito elaboradas, são de uma verdade e de um pitoresco fabulosos, cruas e por vezes muito originais e coloridas; o Cosme, amigo do coração de Ilídio e de Adelaide; o padre manhoso e falso; o generoso e leal Josué, pedreiro e mestre de Ilídio, seu amigo; a negra Sidonie, a quem Livro ensina a literatura; a velha, luxoriosa e gananciosa, Lubélia, enterrada viva.

 

A interioridade riquíssima de Livro mostra um ser complexo, que tudo abrange e finalmente se revela autor de tudo o que lemos, autor, narrador e personagem. Dito isto, sentimos que não dissemos ainda o essencial, porque este romance é a tal ponto renovador que dá à pungência da realidade social como que um toque de magia, fundindo-a nos sonhos dos emigrantes, cristalizados nas suas casas afrancesadas, cheias de azulejos e de ostentação.

 

A poética de José Luís Peixoto está muito discretamente na sua escrita, pelo meio de exuberantes referências culturais.

 

Leiam e verão se este não é o ponto mais alto de um escritor por vezes, como Saramago, tocado pelo génio.

 

Urbano Tavares Rodrigues





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:34


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Diana Ribeiro a 09.12.2010 às 23:41

Neste momento tenho o "Livro" aqui, mesmo ao pé de mim. Cheguei à página 224 e não consegui avançar mais. Quando vi as palavras "gosto", "de", "ti" fiquei literalmente com uma crise de choro e de nervos, e agora estou aterrorizada só de pensar que possa estar escrito algures nas páginas seguintes "Constantino". Nunca nenhum livro me fez estar perto desta sensação... Ainda não o acabei e este já é o Melhor Livro que alguma vez poderia te lido! Muitos parabéns, sinceramente.

Comentar artigo




Instagram


papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.

projecto moldura

todos os vídeos





(confidencial)

free Hit Counters
since October 2018

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



page contents





Perfil SAPO

foto do autor