Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O momento de receber o primeiro exemplar de um livro novo é sempre feito de uma emoção intensa.

Hoje, "La distancia entre la piel y el tatuage" (edição exclusiva no Chile, repito sempre isto para não criar mal-entendidos) chegou-me às mãos de repente, quando não o esperava. Tínhamos passado a manhã com a promessa da gráfica de que os primeiros exemplares seriam entregues às 11, depois ao meio-dia, depois às 16. Seriam umas 17 e 30 quando, depois de um corredor da USACH (Universidad de Santiago de Chile) me deparei com uma pequena agitação de professoras e alunos. Era o livro impresso e encadernado, pronto.

Este "La distancia entre la piel y el tatuage" consiste numa recolha bilingue (castelhano e português) de doze textos que, em Portugal, surgiram em publicações diversas, a saber:

Conversa com o André

A idade das mãos

O cadáver de James Joyce

Deus, anda cá

Biografia sem dentes

Quatro zero

Algumas coisas invisíveis

Sete lugares onde já encontrei Portugal

Cão morto, férias, Alzheimer

A corte no Rio

Sim significa não

Fantasma escritor

Estes textos foram traduzidos e revistos por grupos de alunos, sob a supervisão das professoras de Português da USACH, tendo sido publicado pela Publifahu (editora da Universidade).

Posso dizer que o orgulho do momento em que vi o livro pela primeira vez foi partilhado com todas estas pessoas. A tranquilidade do final de tarde foi o momento ideal para essa partilha.

"A distância entre a pele e a tatuagem" é uma forma de falar da distância de tantas coisas que, por conforto analítico, se tentam separar, mas que são inseparáveis. A autobiografia e a ficção, o conto e a crónica, o texto original e o texto traduzido são apenas alguns dos múltiplos exemplos possíveis.

Fico feliz por saber que, a partir de agora, este título e estes textos terão uma existência chilena.

 

Antes, ainda de manhã, falei num anfiteatro sobre diversos aspectos ligados à escrita e à tradução.

À tarde, numa sala, onde estavam os tradutores deste livro, falei de algumas questões específicas relativas a estes textos e tentei responder a algumas questões que me colocaram sobre os mesmos e sobre a minha experiência do processo de tradução e do meu contacto com tradutores.

 

Ainda havia luz do dia quando saí da USACH (anoitece por volta das 20 e 30) e também havia a cidade de Santiago, atravessada por carros e pessoas. Havia também  as livrarias abertas e mil detalhes a acontecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:30


1 comentário

Sem imagem de perfil

De tiago carvalho a 13.11.2010 às 11:37

O livro devia ser editado também em Portugal, nós também devíamos ter o direito de ler esse livro.

Comentar artigo




Instagram


papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.

projecto moldura

todos os vídeos





(confidencial)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



page contents





Perfil SAPO

foto do autor