Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Infelizmente, por motivos de força maior, o senhor Rui Nabeiro não poderá estar hoje presente na Feira do Livro de Lisboa, ao contrário do que estava previsto. 

Ainda assim, hoje, dia 11 de setembro, José Luís Peixoto estará a autografar os seus livros a partir das 15h no espaço da Porto Editora. Às 18h, fará a apresentação do seu romance Almoço de Domingo no auditório sul. 

Amanhã, dia 12 de setembro, a partir das 15 horas, estará novamente a autografar os seus livros no espaço da Porto Editora. 

Dia 8 de setembro de 2021

18h30 - AUDITÓRIO SUL DA FEIRA DO LIVRO DE LISBOA - Conversa entre José Luís Peixoto, Isabel Lucas e Márcia, no âmbito do Prémio Livro do Ano Bertrand 2020 (atribuído a Regresso a Casa, na área da poesia, na votação de leitores e de livreiros).

19h30 - ESPAÇO DA PORTO EDITORA - Sessão de autógrafos com José Luís Peixoto

 

Dia 11 de setembro de 2021

15h - ESPAÇO DA PORTO EDITORA - Sessão de autógrafos com José Luís Peixoto

18h - AUDITÓRIO SUL DA FEIRA DO LIVRO DE LISBOA - Conversa entre José Luís Peixoto e Rui Nabeiro à volta do romance Almoço de Domingo

 

Dia 12 de setembro de 2021

15h - ESPAÇO DA PORTO EDITORA - Sessão de autógrafos com José Luís Peixoto

 

Captura de ecrã 2021-09-07, às 20.40.19.png

 

JLP IN SITU

12.08.21

José Luís Peixoto tem um novo projecto - JLP IN SITU - cujo conceito pode conhecer aqui:

www.joseluispeixotoemviagem.com/post/jlp-in-situ

 
Os textos desenvolvidos neste âmbito são partilhados online e nas redes sociais com o hasthag #jlpinsitu e podem ser lidos aqui.
 
 

Temas:

O livro Regresso a Casa, de José Luís Peixoto, foi distinguido com o Prémio Livro do Ano Bertrand na área da poesia, tanto na escolha dos livreiros, como na escolha dos leitores.

 

premio bertrand.jpeg

 

Regresso a Casa, o mais recente livro de poesia de José Luís Peixoto,  está disponível aqui:

 
Portugal
 
Brasil
 
México

 

Screenshot 2021-07-07 at 17.34.06.png

Dezasseis anos depois da sua estreia, aqui fica uma nova versão da peça de teatro À Manhã, de José Luís Peixoto.

Encenada por Margarida Cardeal e representada por participantes da Universidade Alcântara Senior, numa produção da Junta de Freguesia de Alcântara de Lisboa, conta também com a participação grupo coral AlCante Alentejano.

 

No dia 17 de junho de 2021, às 17h30 (hora da Suécia — 16h30 em Portugal), José Luís Peixoto participará numa conversa com Örjan Sjögren, tradutor sueco de Morreste-me (Du dog från mig), com moderação de Vera Faias Fonseca de Carvalho. 

Serão feitas leituras de excertos da obra na língua original, pelo autor, e em sueco, pelo tradutor. 

A atividade terá lugar na Universidade de Estocolmo (Romanska och klassiska institutionen). No entanto, devido às limitações de assistência, neste momento, só já é possível assistir online. 

As incrições para assistir a esta conversa e leitura deverão ser feitas AQUI

Clicar AQUI para mais informações.

 

morreste-me suécia.png

 

 

 

Em 2011, José Luís Peixoto esteve no Convento da Cartuxa, em Évora, na companhia do fotógrafo Tiago Miranda. Dessa oportunidade invulgar, nasceu a reportagem "A Vocação do Silêncio", que foi publicada na revista Única, do jornal Expresso, a 5 de junho de 2011 e que pode ser lida AQUI. 

CLICAR AQUI PARA LER.

Tiago Miranda.jpeg

 

A editora Septime Verlag acaba de publicar o romance Galveias, de José Luís Peixoto.

A tradução é de Ilse Dick que também traduziu o romance Cemitério de Pianos (Friedhof der Klaviere).

Galveias está publicado em 13 idiomas e encontra-se atualmente a ser traduzido para mandarim.

 

PEIXOTO_Galveias_300_CMYK.jpg

 

O livro Morreste-me, de José Luís Peixoto,  é publicado pela primeira vez no Bangladesh. 

Durante as últimas semanas, o livro tem sido publicado capítulo a capítulo no jornal Bangla Tribune (ver aqui) e, em junho, ficará disponível em livro.

Screenshot 2021-05-25 at 11.47.38.png

Morreste-me é o primeiro livro do autor. Publicado pela primeira vez em Portugal em 2000, está atualmente traduzido em 20 idiomas.

 

 

Olho para o livro que me emprestaste

e que nunca devolvi. Também ele olha para mim.

Tem as marcas da tua leitura, certos vincos

no branco das páginas, manchas subtis e difusas

como nuvens, restos das tuas mãos ou do teu olhar.

Espero que não penses sobre mim o que penso

sobre as pessoas que nunca me devolveram

os livros que emprestei. O que pensarás tu

sobre mim? Nunca li o livro que me emprestaste,

preferi sempre imaginá-lo. Suponho que ainda

se sinta estrangeiro entre os meus livros,

mas agora é demasiado tarde para devolvê-lo,

há tanto tempo que não falamos, não sei

se ainda guardo o teu número de telefone.

O que pensarias se agora,  a despropósito,

te quisesse devolver o livro? Havias de pensar

que queria alguma coisa. Sabes, fico com o teu

livro porque não quero nada. Provavelmente,

nunca te devolverei este livro, fará parte do

meu espólio, é a última ligação que temos.

 

José Luís Peixoto, in Regresso a Casa

 

 

O mais recente livro de poesia de José Luís Peixoto, está disponível aqui:

Portugal
 
Brasil
 
México




papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.


todos os vídeos








Perfil SAPO

foto do autor