Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



No dia 20 de maio, às 14h, no Centro de Língua Portuguesa da Wits University, em Joanesburgo (Senate House, 3º andar), José Luís Peixoto falará com estudantes e leitores. 

 

wits.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:46

 

 

No dia 17 de maio, às 18h30, na Biblioteca do CCP do Mindelo.  

 

mindelo.png 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26

 

 

9 MAIO - 20h00 -  Leituras e conversa pública com José Luís Peixoto no espaço Caravela (Carrer de Manso, 13, 08015 Barcelona)

10 MAIO - 19h00 - Leituras e conversa entre José Luís Peixoto, Fernando Pinto do Amaral e Jordi Cerdà na Biblioteca Mercè Rodoreda (Carrer de les Camèlies, 76-80, 08024 Barcelona)

 

Barcelona.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:33

4 de Maio - Apresentação de "A Mãe que chovia" em escolas (a confirmar escolas e horários)

5 de Maio - 19h - Conversa pública com Manuel da Costa Pinto e Carlos de Brito Mello no Unibes Cultural (entrada livre)

6 de Maio - Encontro com livreiros

6 de Maio - 19h30 - Conversa pública do leitores no SESC Consolação (entrada livre)

 

mãe que chovia.jpg

Edição brasileira: Companhia das Letrinhas 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:50

José Luís Peixoto é autor dos textos e narrador do documentário "Portuguese from Soho". 

O documentário terá a sua estreia no MOMA, Museum of Modern Art, em Nova Iorque, no dia 16 de Abril. 

No dia 15, às 18h30, no Sport Club Português, em Newark, José Luís Peixoto apresentará Em Teu Ventre.

No dia 20, o autor falará com os alunos da East Side High School (Newark), às 10h, e com os alunos da Science Park High School (Newark), às 12h.

 

pt.jpg

 

 

scp.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:53

O novo livro de José Luís Peixoto para os mais jovens chama-se: "Todos os escritores do mundo têm a cabeça cheia de piolhos". 

 

Chegará às livrarias portuguesas em Maio de 2016. 

 

Sinopse da editora:

Que comichão permanente é esta na cabeça de todos os escritores do mundo? Nenhum champô anti-piolhos consegue acalmá-la. Esse mal generalizado faz notícia nas primeiras páginas dos jornais e intriga os leitores deste e de todos os livros que existem.

José Luís Peixoto regressa à literatura para os mais jovens com uma obra de divertido surrealismo, uma parábola moderna sobre o texto, a leitura, os livros – e aqueles que os escrevem.

 

Capa:

tedmtccp.jpeg

Disponível para venda AQUI e AQUI.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:38

Entre as letras, as vogais são como o vento. Havendo fôlego, um a pode continuar para sempre, pode nunca terminar. Um e distorcido pela lonjura, repetido pelo eco, pode afastar-se e aproximar-se, pode ondular, dar voltas no ouvido, bumerangue ou avião de papel. Há uma forma de liberdade que só existe nas vogais.

 

Poesia é uma palavra que tem quatro vogais.

 

Como o mundo inteiro, como todos os momentos, como a própria vida, poesia é ordem e loucura. É ordem quando aquilo que nos faz mais falta é disciplina rigorosa, vírgulas que não poderiam pertencer a nenhum outro espaço, quebras de verso que deixam as batidas do coração na expectativa de um segundo, e é loucura quando esquecemos o essencial, quando precisamos de ser lembrados.

 

No entanto, como todos os termos, a palavra loucura é um paradoxo. Podemos acordar verdes, podemos falar com o silêncio, podemos agitar o céu, nada disso é loucura, estes são exemplos de realidade nítida. A maior loucura é acreditar que os dias existem no calendário, que 1+1 é sempre 2, que não vale a pena. Tudo vale a pena. Poesia é loucura contra a loucura. Como todos os termos, a palavra poesia é um paradoxo.

 

Poesia é uma palavra feita palavras e, como tal, é um paradoxo feito de paradoxos. No poema, como numa torre, todas as palavras são paradoxos em conflito consigo próprios e uns com os outros. Se tirarmos um tijolo, toda torre perderá força e, tarde ou cedo, cairá. É a tensão que os tijolos mantém entre si que permite o equilíbrio da torre. A poesia é uma torre sobre a vida e sobre a morte.

 

As estações e a intempérie castigam os tijolos, desgastam-nos. Ainda assim, há torres que duram séculos, esquecemos aqueles que as construíram. Também as palavras, apesar da erosão que as atinge, podem durar séculos. Temos a obrigação de acreditar que são eternas. Tudo o que está vivo tem a oportunidade de ser imortal.

 

No entanto, um monte de tijolos não é uma torre, um monte de palavras não é um poema. Chamem-se os engenheiros civis, por favor. Chegou o momento de considerar a ordem.

 

Nomear é uma forma sofisticada de organização. Quando os nomes assentam sobre algo, visível ou invisível, são como uma nova camada de realidade. Aquilo que é nomeado torna-se concreto como uma pedra na palma da mão, como uma pena entre o indicador e o polegar. Então, podemos encontrar o lugar certo para esses objetos. Não faltam maneiras de arquivá-los: peso, tamanho, sabor.

 

Se essa ordem fizer sentido transportará verdade.

 

A verdade é um espelho.

 

De certo modo, um poeta é um engenheiro civil que constrói espelhos. De certo modo, o poema é um espelho. Mas, de certo modo, o poema é qualquer coisa.

 

O poema é respirar, cada vez que inspiramos e expiramos, ar limpo a limpar-nos o sangue. O poema é fechar os olhos, existir num lugar sem luz e sem corpo. O poema é sorrir, reflexo que não decidimos e que chega aos outros, entre nós e os outros, milagre.

 

Precisamos muito de poesia. A nossa grande sorte é que a poesia está em todos os lugares onde estamos, como uma sombra do que vemos, pensamos, dizemos, somos. A poesia está no que fazemos bem e no que fazemos mal. O desafio é procurá-la, aceitá-la, aprender a sentir-lhe o gosto. Dessa maneira, a vida ganha um brilho que, afinal, sempre esteve lá.

 

Repito: quando os nomes assentam sobre algo, visível ou invisível, são como uma nova camada de realidade.

 

As palavras sabem tudo.

 

Dentro das palavras, as vogais são como o sopro de uma flauta, música humana. As consoantes também são necessárias, há uso para todas as matérias, mas é preciso ter muito cuidado com as suas arestas. Podem cortar: p! Ou, quando permitem a repetição, rrrr ou vvvv, as consoantes são máquinas, são motores. As vogais chegam em paz, diluem-se na cor, preenchem o ar. Como se não sentissem o peso, as vogais transportam a vida das palavras.

 

Poesia é uma palavra que tem quatro vogais.

 

 

José Luís Peixoto, texto lido por Rui Mendes em homenagem à poesia e a José Régio, realizada pela Fundação INATEL em Portalegre, no dia 21 de março de 2016

 

cartaz.png

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:05

Desrespeito

14.03.16

 

 

Como se distinguem as pessoas que não merecem respeito? Uma resposta clara a esta questão teria muita utilidade, ajudaria a avaliar a legitimidade das faltas de respeito.

 

Nas redações da catequese e nas conversas sobre o boletim meteorológico, toda a gente merece respeito. No mundo real, não é assim. Hoje, o desenvolvimento tecnológico permite-nos novas formas de desrespeitar os outros. As formas antigas não perderam atualidade, continuam disponíveis para os nostálgicos, mas acrescentaram-se muitas outras, mais confortáveis e eficazes para quem desrespeita.

 

Ao contrário do que Salazar apreciava, "respeito" não é sinónimo de "obediência" ou "submissão". "Respeito" é sinónimo de "consideração", s. m., é aceitar que os outros, independentemente de se concordar ou não com eles, têm o direito de existir.

 

Desrespeitar é negar o direito de existir, desrespeitar é uma forma de aniquilação moral. As diferenças entre desrespeito e opinião são muito mais concretas do que as apologias do desrespeito querem fazer crer. O desrespeito começa por ser um sentimento e, só depois, se exprime em palavras ou ações. Quando não é gratuito, o desrespeito nasce de uma dor: em algum momento, o desrespeitado lembrou o desrespeitador de algo que o incomoda em relação a si próprio. Nesse caso, o desrespeito é uma resposta. No entanto, não tem a ver com a pessoa a que se dirige, com aquilo que ela é, tem a ver com a imagem construída por aquele que desrespeita, tem a ver com aquele que desrespeita.

 

Ainda assim, hoje, vende-se o desrespeito muito barato. Desrespeita-se os outros em troca de uma gargalhada murcha, de um semi-sorriso, da convicção vaga de que esse desrespeito será identificado como inteligência e perspicácia. Independentemente da gratificação em causa, o desrespeito é sempre egoísta, é sempre um sinal de narcisismo e de vaidade.

 

Neste tempo, o desrespeito é também um sinal da crise. Há quem desrespeite como modo precário de vida. O mesmo desespero que leva jovens licenciados a estágios não remunerados e a call centers, leva muita gente ao desrespeito. Uns e outros acreditam que, aí, conseguirão encontrar alguma coisa que os salve do nada que vislumbram à sua volta.

 

Em qualquer dos casos, o desrespeito é uma agressão. O desrespeito é sempre uma agressão.

 

 

 

José Luís Peixoto, in Notícias Magazine, 13 de março de 2016

 

IMG_6137.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:48

José Luís Peixoto participa no XVI Festival Internacional de Poesia de Granada, Nicarágua. 

 

Dia 17Fev.2016, 14h, Átrio da Igreja de La Merced, Leitura de poesia

Dia 18Fev.2016, 18h30, Plaza de la Independencia, Leitura de poesia

Dia 19Fev.2016, 10h30, Colegio Pierre y Marie Curie, Manágua

 

nicarágua.png

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:26

2 de fevereiro, 9h30, Universidade de Cabo Verde, Campus do Palmarejo

 

3 de fevereiro, 9h30, VI Encontro de Escritores de Língua Portuguesa, Hotel Praia-Mar

 

4 de fevereiro, 9h30, Universidade de Cabo Verde, Campus do Palmarejo

 

ucla.pngunicv.png

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56



Instagram


papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.

projecto moldura


youtube jlp

galveias no mundo






install tracking codes
Visitors since may 2015

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia